close
nov 13, 2020
nov 13, 2020

A complexidade oculta do MMA e do Counter-Strike

Mergulhando de cabeça no MMA e no Counter-Strike

MMA: a dor incomoda

CS: posicionamento é tudo

A complexidade oculta do MMA e do Counter-Strike

Duncan "Thorin" Shields abre sua primeira coluna para a Pinnacle com atenção especial à complexidade oculta que existe tanto no MMA quanto no Counter-Strike e questiona por que tantas pessoas se tornam novos espectadores de ambos os títulos.

Veja um nocaute espetacularmente violento na carreira de Anderson Silva ou uma performance explosiva praticamente desumana de Oleksandr "s1mple" Kostyliev e não restará dúvida sobre o motivo de o MMA, como um esporte, e o Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), como um e-sport, conquistarem novos espectadores de forma tão fácil e rápida. Podemos dizer que as duas modalidades já contam com todas as exigências de entretenimento muito antes de precisarmos considerar os estilos, as estratégias e as táticas que estão por trás do espetáculo.

Uma filosofia definitiva para o meu trabalho e a minha vida foi a noção de que "o que você ganha é baseado no que você traz para o jogo". Por isso, embora esses sejam alguns dos esportes mais emocionantes de se ver, você verá apenas parte do todo até que se aprofunde um pouco mais e se torne um estudante do jogo.

Se a única luta de MMA que você consegue desfrutar é uma batalha de socos brutais e o único tipo de jogo de CS:GO que você aprecia é um tiroteio rápido e com pouca estratégia, talvez você esteja fadado a ficar desapontado em certos momentos. Venha comigo e conheça toda a complexidade estratégica que acontece logo abaixo da superfície dessas modalidades. Isso talvez proporcione um novo ponto de vista sobre a competição com o qual você possa se divertir.

O outro lado da moeda

No MMA, a explosão do esporte deu origem a uma série de estereótipos. Pessoas sem nenhum conhecimento sobre lutas profissionais e suas muitas modalidades, exceto talvez a tradição bem estabelecida das lutas pelo título dos pesos-pesados do boxe, descobriram um novo esporte, em que os nocautes eram aparentemente mais comuns, mas também imprevisíveis.

A Astralis domina a Team Liquid há tantos anos porque a maioria da equipe é adepta do jogo discreto, espreitando os inimigos para matá-los com a ajuda do fator surpresa.

Enquanto esses novos fãs descobriam o quão viciante assistir a um nocaute ou a uma finalização épica poderia ser, eles não conseguiam ver para além dessa perspectiva das artes marciais. Esses fãs "sedentos de sangue" buscavam algum tipo de violência compreensível, além de uma garantia de nocaute. Certamente, essa é a maneira mais fácil de consumir MMA no início e é a leitura de nível de superfície mais óbvia do esporte.

No entanto, a desvantagem do apelo do "fast-food no MMA" era que esse tipo de torcedor ficaria potencialmente frustrado quando as lutas giravam em torno da pressão da luta tática e das defesas contra quedas, ou das tentativas de finalização e defesa por meio do jiu-jitsu brasileiro. Esses torcedores tinham a impressão de que os lutadores estavam evitando um confronto aberto ou tinham medo de se envolver nesse nosso simulacro moderno de guerra.

Com mais tempo de exposição ao esporte, aos grandes campeões praticantes dessas disciplinas menos óbvias e à constante ascensão dos comentários e análises do MMA, muitos foram levados a entender que o estilo de Khabib Nurmagomedov de sempre trabalhar o oponente e buscar uma finalização pode ser tão impressionante e aterrorizante quanto um nocaute de Alistair Overeem, enviando seus oponentes diretamente para outra dimensão. O jiu-jitsu brasileiro de Demian Maia tem tanta beleza quanto os movimentos de Conor McGregor ao acertar seus inimigos com aquela mão esquerda letal e mudar instantaneamente a direção da luta. Ainda assim, essa curva de aprendizado intuitiva pode ser acelerada ao entender como observar alguns conceitos centrais básicos, mas essenciais.

Da mesma forma, a mira suave, mas absurdamente consistente, de Nikola "NiKo" Kovač com um AK-47, e seu estilo único de duelar, apelam imediatamente aos olhos em um nível estético e parecem ser sob medida para se tornarem o assunto de inúmeros clipes de melhores momentos. Os movimentos surreais do extraordinário franco-atirador Kenny "kennyS" Schrub requerem praticamente pouca ou nenhuma compreensão para divertirem o público.

No CS:GO, temos nossos próprios fãs "sedentos de sangue" e eles podem ser encontrados postando comentários exigindo que seu time favorito acrescente ainda mais poder de fogo bruto e jogadores famosos de ataque, muitas vezes, à custa de elementos vitais de suporte ou dinâmica de equipe. Seria de se esperar que o sucesso de equipes como Astralis e ENCE tivesse mostrado a esses torcedores outro lado do jogo, em que o raciocínio e as habilidades de comunicação dos competidores se refletem nas suas ações tanto quanto suas habilidades mecânicas e precisão de mira.

Jogadas impossíveis de um "s1mple" com um rifle sem mira, levando a Na`Vi de quase uma derrota diretamente para a vitória, pode ser comparável à execução perfeita de uma tática ensaiada pelos poderosos dinamarqueses da Astralis no final do jogo. A dispersão de balas de Jonathan "EliGE" Jablonowski que desafia a discrepância não é necessariamente mais interessante do que o estilo de aplicação de estratégias de "xadrez de velocidade" durante a rodada usado pelas equipes de Finn "karrigan" Andersen.

Mude o seu ponto de vista e uma luta "chata", na qual os combatentes estão apenas "lutando no chão", pode se tornar uma disputa técnica, cheia de garra, em que você tem a certeza de que, se o oponente caído ceder por um único segundo, ele será brutalizado ou finalizado por Khabib. Um confronto "lento" entre Astralis e Team Liquid é, na verdade, um jogo dentro de um jogo, resultado de dezenas de encontros anteriores, e uma forma de testemunhar as najas norte-americanas, predadoras tão perigosas para a maioria das outras equipes, atentas diante da ameaça de morte imposta pelos mangustos dinamarqueses.

O jogo mental

No MMA, pode ser fácil imaginar um lutador com golpes poderosos apenas procurando uma abertura para acertar o oponente ou um lutador habilidoso no solo simplesmente se preparando para uma tentativa de queda. É fundamental, no entanto, valorizar que a parte "mista" do MMA é uma dinâmica sempre presente na jornada que leva esses lutadores até a arena.

No CS:GO, temos nossos próprios fãs "sedentos de sangue" e eles podem ser encontrados postando comentários exigindo que seu time favorito acrescente ainda mais poder de fogo bruto e jogadores famosos de ataque, muitas vezes, à custa de elementos vitais de suporte ou dinâmica de equipe.

Um golpeador poderoso lutando contra um exímio finalizador talvez não se sinta tão livre para usar suas combinações e disparar socos pesados de forma mecânica, porque sabe que qualquer falha pode deixar a parte inferior do seu corpo aberta para uma queda e, potencialmente, resultar em um round tentando sobreviver a um oponente lutando da maneira que ele mais gosta. Como membro da famosa família de lutadores de jiu-jitsu brasileiro, um dos irmãos Gracie certa vez disse: "O solo é meu oceano, eu sou o tubarão e a maioria das pessoas nem sabe nadar".

Quando a luta vai para o chão com um finalizador exímio em uma posição dominante, parece que quase não há ação. Um novato pode dizer: "Ele está apenas sentado ali e o cara que está por baixo não está nem tentando escapar". A luta livre é um esporte que se baseia em mover o corpo de outra pessoa contra a vontade dela e de acordo com a sua. Khabib ou Georges St-Pierre farão o outro lutador carregar seu peso o tempo todo em que estiver no chão.

Imagine ter um homem grande pressionando as suas costas enquanto tenta se levantar, sabendo que ele vai te acertar com um soco no segundo em que você parar de se proteger com as mãos ou vai estrangulá-lo ou submetê-lo se você não prestar atenção à posição do corpo dele. Agora, entenda que isso pode acontecer com você por 15 a 25 minutos, em intervalos, e, durante todo o tempo em que você estiver caído, verá que está perdendo uma competição que influenciará seus ganhos futuros.

Não é como se os melhores golpeadores se concentrassem apenas na sua força e não investissem no aprendizado da defesa contra quedas ou em como evitar finalizações no jiu-jitsu; seus oponentes simplesmente são os melhores do mundo naquilo que fazem. Talvez você conheça defesas ou contra-ataques para as principais finalizações básicas, como um triângulo de pernas ou chave de braço, mas esses lutadores são grandes mestres, enquanto você é apenas um bom jogador de xadrez.

Os grandes lutadores de jiu-jitsu brasileiro não se movem lentamente de uma transição para outra, dando-lhe tempo para reconhecer o que estão fazendo e qual será sua próxima ação. O movimento do quadril e a experiência enciclopédica de tentativas anteriores dão a eles a habilidade de conectar o que, para outro lutador, seriam três ou quatro movimentos e executá-los com fluidez até que estejam em cima de você ou tenham te colocado em uma posição de risco.

A força deles no tocante às finalizações pode até inverter o princípio tradicional do lutador que está por cima estar em vantagem, e eles buscarão qualquer oportunidade de colocar em prática uma finalização por baixo, ameaçando encerrar a luta rapidamente. Tony Ferguson se tornou um campeão interino graças à sua habilidade de lutar "por baixo", uma posição em que a maioria dos outros lutadores teme se encontrar.

inarticle-the-hidden-depth-of-mma-getty.jpg

As similaridades impressionantes podem ser encontradas no espectro das fintas e das combinações. Precisão e preparação são os conceitos-chave aqui, não o quão rápidas ou pesadas são suas mãos. O chute na perna, levando a um jab e, depois, uma queda fintada pode ser aquilo que fará seu oponente afastar as mãos, olhar para baixo e, assim, permitir um nocaute ao ser acertado por um soco vindo do nada.

Muitos dos melhores competidores dizem que, enquanto quem está em casa pode ver o soco chegando, da perspectiva deles, você apenas vê o adversário torcer o braço ou a perna e, de repente, o golpe já chegou. Não é de se admirar que lutas em pé incluam muitas fintas e movimentos de contração que não produzem nenhum ataque e, portanto, podem parecer inúteis para quem está sentado no sofá assistindo.

A dor realmente incomoda

Quando o personagem de Patrick Swayze em "Road House", clássico involuntariamente hilário dos anos 80, pronunciou a péssima fala "a dor não dói", ele estava representando um "cara durão" que existe, em grande parte, apenas na imaginação do espectador. Outro componente importante da complexidade e das nuances do MMA que pode iludir o observador casual é a extensão da dor causada por certos movimentos que não parecem excessivamente violentos ou prejudiciais.

Na luta de Khabib contra Justin Gaethje, o russo empregou sua abordagem característica de cobrir repetidamente a boca de Gaethje enquanto eles estavam no chão. Isso privaria, mesmo que apenas momentaneamente, o lutador que carrega seu peso de obter oxigênio suficiente. Ele variava essa técnica forçando repetidamente o rosto do lutador americano em uma chave de cervical.

Como Dominick Cruz, uma lenda do MMA, fez questão de apontar na cabine de comentários, esse movimento não tinha a intenção de estrangular ou finalizar, mas simplesmente machucar o adversário. Imagine sentir seu rosto pressionado como se fosse quebrar, sabendo que os espectadores simplesmente pensarão que você está procurando uma maneira de desistir da luta, apesar de não estar tecnicamente em perigo de ser finalizado.

É verdade que os fãs do boxe têm noção de como um soco no fígado pode ser brutal, essencialmente desligando o cérebro do oponente e sobrecarregando-o com sinais de dor, mas golpes simples, como chutes na perna, são extremamente subestimados. Um chute na perna pode não parecer realmente dolorido, e os lutadores tentam o possível para mascarar sua dor e fazer parecer que não foram afetados pelo golpe.

Mas o dano causado aos músculos da perna pode, muito mais do que ser doloroso, limitar o movimento mais tarde na luta e, no final das contas, impossibilitar um lutador de combater por semanas. Pergunte a Urijah Faber o quanto dói ser chutado na perna por José Aldo.

inarticle-the-hidden-depth-of-mma-faber-leg.jpg

Chutar repetidamente a perna de um oponente fará com que ele aumente imediatamente o ritmo da luta e avance com um ataque forte ou mergulhe em uma queda, tamanha é a dor e a limitação inevitáveis de movimento que os chutes representam.

Posicionamento é tudo

No Counter-Strike, o jogo pode ser dividido em uma série de lutas ou confrontos. Muitas vezes, eles são caracterizados por duelos um contra um entre jogadores ou representados pelos números de envolvidos de cada equipe, ou seja, 3x3, 3x4 etc. O conceito principal a ser apreciado é que o estilo estratégico e as movimentações táticas específicas colocam os jogadores nas posições onde esses confrontos acontecem.

"s1mple" é saudado por muitos, inclusive por mim, como o melhor jogador da história, mas foi derrotado em muitas ocasiões pela Astralis porque os oponentes decidiram enfrentá-lo como grupo e o empurraram para fora de posição, em vez de tentarem uma interminável sequência de confrontos um contra um sem utilidade, nos quais a lenda estaria em vantagem na maioria dos casos.

In-Article-1-Esports-Best-CSGO-player.jpg

Quando o lado Terrorista (T, equipe ofensiva do jogo) já inicia o mapa atacando, os jogadores que assumem as posições mais avançadas não estão apenas procurando por alvos, mas tentando criar espaço para alguns de seus companheiros de equipe que vêm atrás. A estratégia inicial de ativar uma granada de luz e fazer uma verificação do perímetro (que, às vezes, pode ser aplicada contra ninguém em particular e dar a impressão de tempo e recursos desperdiçados) se trata de assumir o território e protegê-lo, para que o resto da equipe possa fazer a transição para a próxima fase tática ou processo de acordo com seu estilo.

Quanto melhor uma equipe se sai no jogo em equipe e na capacidade de execução, mais pode parecer que os jogadores lançam mão de um utilitário e saem correndo juntos, semelhante à transição perfeita que um lutador habilidoso de jiu-jitsu brasileiro faz ao passar do controle lateral para a posição de montada.

Quando esses jogadores entram em jogo e enfrentam uma luta, eles não estão lá para provar sua própria coragem, imaginando que vencerão todas as lutas simplesmente com pontaria superior ou força bruta. Eles estão completamente cientes de seu papel como peças de posição avançada no tabuleiro de xadrez. Assim como alguém pode sacrificar um peão para pegar uma das peças do oponente e obter uma posição superior no xadrez, eles aplicam o princípio de "troca de frags", no qual o seu companheiro de equipe estará esperando para matar o jogador que matou você, ou o "trocar um frag", neutralizando jogadores defensivos e garantindo locais específicos no mapa.

Como regra geral no Counter-Strike, uma troca de mortes beneficia o lado ofensivo, já que os jogadores defensivos remanescentes agora estarão cada vez mais dispersos, mas ainda tendo que defender ambos os bombsites, enquanto o lado T pode recuar e decidir atacar o outro lado do mapa, se quiser. Equipes como ENCE, Renegades e, mais tarde, 100 Thieves aplicaram essa abordagem para fortalecer seus lados T contra esquadrões considerados muito mais habilidosos e poderosos quando se trata de conseguir mortes.

O impacto do jogador invisível

A pressão do mapa e dos utilitários remanescentes são, às vezes, os fatores invisíveis presentes na mente do oponente, compondo uma dinâmica essencial na decodificação da tomada de decisão dos jogadores que você está assistindo. A Astralis domina a Team Liquid há tantos anos porque a maioria da equipe é adepta do jogo discreto, espreitando os inimigos e mantendo um jogador posicionado à espera em uma área até que um oponente entre nela – talvez pensando que ela esteja vazia e tentando passar para outra parte do mapa – apenas para matá-lo com a ajuda do fator surpresa.

Em confrontos diretos, em que os inimigos conhecem a localização do jogador da Astralis, a Team Liquid poderia provar alguma superioridade, mas forçada a enfrentar a incerteza sobre onde exatamente os jogadores da Astralis estão localizados e sabendo o quão forte é a comunicação entre eles, as estrelas da TL tinham muito mais sobre o que pensar do que o ângulo do qual espiar ou a concentração durante uma partida importante contra seus arqui-inimigos dinamarqueses.

Mesmo que jogadores famosos pela sua precisão ao matar oponentes consigam iniciar confrontos, existem estratégias e meios de equilibrar as probabilidades para outros competidores não tão brilhantes nos quesitos mecânicos do jogo. Com boa comunicação e jogo em equipe, um time pode tirar um jogador estrela de seu lugar ou ameaçar prendê-lo em uma armadilha lançando granadas atrás dele.

Imagine ser um dos melhores arqueiros do mundo, mas tentando mirar e atirar com alguém apontando um holofote de um lado para o outro nos seus olhos e ensurdecendo você com um estrondo. É fácil perceber como isso pode abalar um jogador, certo?

Mesmo que esses utilitários não apareçam no jogo imediatamente, saber que uma equipe é famosa por carregá-los e usá-los significa que os mesmos ângulos agressivos não podem ser mantidos, caso contrário, esse cenário de terror pode vir a se repetir.

Em ambos os lados, CT ou T, a vantagem obtida pelo potencial dos jogadores é precursora de todos os tipos de guerra psicológica. Como observadores da partida, sabemos onde estão todos os jogadores e com que rapidez eles podem se encontrar. Enquanto isso, os jogadores sabem apenas o que podem ver, comunicar ou deduzir. Em uma situação de desvantagem numérica, eles não podem observar os mesmos ângulos tão atentamente, sabendo que podem ser flanqueados ou precisar passar rapidamente para outra parte do mapa.

Essa pressão invisível existe para pesar nas mentes dos oponentes e afetar seus impulsos diante de grandes equipes. A SK Gaming de 2016, equipe que contava com Gabriel "FalleN" Toledo e foi duas vezes campeã naquele ano, dominava esse princípio fundamental tão bem que parecia nunca perder cenários de rodadas finais.

De olhos bem abertos

Ao se aprofundar um pouco mais nesses conceitos e empenhar algum esforço para encontrá-los em lutas de MMA ou partidas de CS:GO que venha a assistir no futuro, eu poderia apostar que você descobrirá uma face totalmente nova dessas competições, que achará incrivelmente interessante. Antes, tudo o que você podia perceber era um evento animador ou tedioso de um ponto de vista estético. Certamente, ainda haverá confrontos totalmente desanimadores, mas agora os lados estratégico e tático desses esportes começarão a florescer e você poderá desfrutar de uma partida estratégica de xadrez jogada entre as mentes, técnicas e estilos dos competidores.

Vá em frente e aproveite toda a adrenalina do confronto mental que esses jogadores proporcionam além da própria ação.

Página inicial de eSports
Leia mais artigos sobre e-sports aqui
  • Tags

Sobre o autor

Duncan Shields

Duncan "Thorin" Shields is the Esports Historian, having worked in the industry on games including Counter-Strike, League of Legends, and StarCraft since 2001. Renowned journalist and studio analyst, Thorin brings his wide expertise to a new column for Pinnacle.

Mostrar mais Mostrar menos