close
abr 4, 2017
abr 4, 2017

Tornar-se um apostador lucrativo: uma questão de sorte ou de capacidade

Sorte e o Paradoxo da Capacidade

Pessoas e robôs vs. acaso: quem ganha?

Quando é que as apostas se tornam num jogo de capacidade?

Tornar-se um apostador lucrativo: uma questão de sorte ou de capacidade

As apostas têm a ver com garantir um valor esperado positivo para conseguir um lucro consistente. Como parte desse processo, os apostadores têm de considerar a influência que a aleatoriedade e a sorte têm no desfecho de um determinado evento. Este artigo analisa se tornar-se um apostador lucrativo é uma questão de sorte ou de capacidade. Continue a ler para saber mais.

A finalidade de Squares & Sharps, Suckers & Sharks era investigar se e porquê alguns apostadores são melhores a ter lucro do que outros. Mirio Mella já ilustrou anteriormente como algumas carreiras se adequam melhor para se tornar num apostador de sucesso do que outras: atuários, corretores financeiros e jogadores profissionais, por exemplo. No entanto, neste artigo, iremos explorar em termos mais gerais se a capacidade de ter sucesso num ambiente de apostas se deve à sorte ou se é uma capacidade que pode ser adquirida.

Sorte e o Paradoxo da Capacidade

A maioria do que acontece num mercado de apostas acontece por acaso. Isto não é provavelmente o que os apostadores desportivos gostariam de ouvir. É claro que os jogos de casino, como a roleta e os dados, são puros jogos de azar, regidos pelas regras simples da probabilidade. Mas os desportos em que as probabilidades dos resultados são em essência desconhecidos, certamente tal deverá criar uma oportunidade de expetativa de lucro, certo? Sim, tecnicamente isso acontece, uma vez que é possível que alguns sejam melhores a ter acesso e a processar as notícias e as informações do que outros, mas na prática, elas só estão realmente disponíveis para uma pequena proporção de jogadores devido a um efeito conhecido como o paradoxo da capacidade.

Falando em termos gerais, quanto menos pontos se marcar num determinado desporto e maior for o número de jogadores a participar, maior é o papel da sorte.

Quando o negócio da previsão se torna numa corrida às armas entre os jogadores que utilizam métodos cada vez mais sofisticados para prever um resultado desportivo, as capacidades absolutas podem muito bem apresentar melhorias na tabela, mas em termos relativos, continuamos praticamente imóveis.

Embora as capacidades de previsão absolutas melhorem, a diferença entre os melhores e os piores diminui; uma vez que as apostas são um jogo de capacidade e sorte, se a variação nas capacidades relativas tiver diminuído, consequentemente a influência da sorte é maior. Assim que contabilizarmos o custo de apostar (a margem da casa de apostas), a maioria de nós acabará no vermelho a longo prazo.

Robôs de apostas vs. Acaso

O serviço de previsão de futebol Botprediction.com disponibiliza um meio útil de demonstrar a aleatoriedade nas apostas. Com 40  000 robôs de previsão de futebol a funcionar em simultâneo para o mercado de apostas do total de golos, o Botprediction assemelha-os a um grande grupo de jogadores.

“Estatisticamente, há sempre grandes perdedores e grandes vencedores nesse grupo. O nosso software de previsão permite-lhe seguir esses poucos vencedores com taxas de vitória acima dos 70%.”

Há alguns anos, decidi analisar a distribuição dos desempenhos destes robôs ao longo de um período de 5 semanas. Este é o resultado que obtive.

luck-skill-inarticle1.png

Essencialmente, não havia nenhuma diferença entre o que os robôs faziam e atirar aleatoriamente uma moeda ao ar. A ideia de poder escolher seguir um dos robôs com melhor desempenho e esperar que ele continue a ter um desempenho idêntico é um perfeito disparate. Não há consistência nenhuma entre o desempenho ao longo de um período de 5 semanas e o período seguinte. As taxas de sucesso dos robôs fazem simplesmente a regressão à média. Tudo o que acontece deve-se puramente ao acaso.

Pessoas reais vs. Acaso

É claro que, se os robôs estiverem apenas a selecionar aleatoriamente os resultados em que apostar, então não podemos ficar minimamente surpreendidos por esta descoberta. Vamos então substituir os robôs por pessoas. Certamente, deve haver uma diferença, uma vez que as pessoas não fazem escolhas aleatórias.

Para além da análise acima, também analisei uma amostra de grandes dimensões das escolhas publicadas (1 073 029 no total) dos apostadores (6044) na comunidade de apostas desportivas Pyckio.com. Ao analisar o desempenho utilizando o T-score, uma medida estatística para determinar como se pode comparar um registo de apostas com a expetativa do mercado, com base nas probabilidades da Pinnacle, estes são os resultados da distribuição dos seus desempenhos.

luck-skill-inarticle2.png

Vemos uma distribuição normal nos desempenhos de apostas, um sinal indubitável de que aquilo que estamos a ver é, na sua maioria, aleatório. Sim, há bons apostadores e maus apostadores, mas a sua distribuição assemelha-se em muito ao que encontraríamos se os puséssemos a atirar moedas ao ar para decidirem em que iriam apostar, embora todos eles lhe dissessem até que ponto a respetiva abordagem de previsão é sofisticada.

Um jogador de póquer competente, mas azarado, poderia ainda apresentar perdas depois de 100 000 mãos, o equivalente a quase dois anos a jogar 40 horas por semana.

Mais do que serem bons ou maus, a maioria dos apostadores analisados simplesmente têm sorte ou azar. Para demonstrar ainda mais esta questão, dividi os registos dos 249 apostadores com histórias de mais de 1000 escolhas em duas metades e correlacionei os seus desempenhos da primeira metade com os da segunda.

Se os apostadores estavam a demonstrar evidência de capacidade mais do que sorte, os desempenhos deveriam normalmente permanecer consistentes. Ou seja, se um apostador competente apresentar um T-score de 3 nas suas primeiras 500 apostas, devemos normalmente esperar que ele mostre apresente algo semelhante a um 3 nas suas 500 apostas seguintes. Eis o aspeto destas correlações num gráfico de dispersão.

luck-skill-inarticle3.png

Um R2 de 0,0019 significa que apenas 0,19% da variação no desempenho da segunda metade destes 249 apostadores poderia ser explicado pela variação no desempenho da primeira metade. A implicação é que tudo o resto é explicado pelo acaso. Coletivamente, estes apostadores não estavam a demonstrar desempenhos consistentes; tal como os robôs do Botprediction , eles estavam em larga medida simplesmente a regressar à média. Tal não quer dizer que não havia apostadores competentes; pelo contrário, os poucos que poderia ter havido estavam escondidos entre o ruído do acaso.

O continuum sorte-capacidade

No seu livro The Success Equation: Untangling Skill and Luck in Business, Sports, and Investing, Michael Mauboussin define um continuum de sorte e capacidade no qual residem várias atividades. No ponto extremo da sorte, encontramos coisas como a roleta e as lotarias. No outro extremo, estão os jogos de pura competência, como o xadrez. A maioria dos desportos de equipa encontra-se algures no meio.

Falando em termos gerais, quanto menos pontos se marcar num determinado desporto e maior for o número de jogadores a participar, maior é o papel da sorte. Então, e os jogos de azar? Mauboussin diz que coisas como investimentos, apostas e póquer estão muito mais próximas do lado da sorte do que do lado da capacidade. A distribuição dos desempenhos dos apostadores apresentada acima parece justificar esta decisão. 

O ambiente da capacidade

Normalmente, a aquisição de conhecimentos especializados ou de capacidades segue aquilo que se denomina como "Tomada de Decisões Naturalista", onde pedaços ou padrões de dados são memorizados e recordados periodicamente através de prática e feedback prolongados. Para que isto seja eficaz, o ambiente deve ser suficientemente regular e estável para ser previsível, permitindo que causa e efeito estejam significativamente relacionados. Claramente, tal ambiente de capacidade existe para coisas como aprender a jogar xadrez ou ténis. Poderá dizer-se o mesmo das apostas desportivas?

Ao competir num ambiente onde a sorte domina, deverá concentrar-se no processo como toma as suas decisões, e não tanto nos próprios resultados.

O problema de adquirir capacidades de previsão reside no facto de que, nas apostas, não somos necessariamente recompensados por fazê-lo. Pode ser verdade que quanto mais tempo e esforço eu dedicar a prever os resultados desportivos, melhor eu serei a fazê-lo. Mas a capacidade nas apostas desportivas não é apenas uma questão de escolher vencedores; em vez disso, tem a ver com se somos melhor a escolhê-los do que todos os outros.

Como o paradoxo da capacidade ilustra, as apostas resumem-se a uma competição de capacidades relativas com soma zero. Quando os apostadores estão a competir uns contra os outros num mercado, a capacidade que realmente importa é avaliar se as informações disponíveis no mercado já estão integradas nas probabilidades, e ser capaz de o fazer de forma consistente.

Se jogadores igualmente competentes tiverem pressionado as probabilidades para um preço que genuinamente representa as "reais" possibilidades de um resultado (um processo conhecido como "descoberta do preço"), o facto de perdermos ou ganharmos é então puramente uma questão do acaso. Se os mercados de apostas forem maioritariamente eficientes, ou seja, refletirem as "reais" possibilidades de resultado, as perspetivas de superarem esta sabedoria da multidão parece estar gravemente restrita. 

Um ambiente de validade zero?

A validade é uma medida que determina se aquilo que nós consideramos a causa é, na realidade, a causa verdadeira, e se a nossa medida aponta de forma repetida para tal conclusão. Coletivamente, os apostadores desportivos analisaram os testes básicos falhados anteriores de consistência e validade. Tal facto indica fortemente que o ambiente – o mercado de apostas – no qual os apostadores desportivos operam não é nem regular nem previsível, mas é pelo contrário dominado pela sorte. 

Nos casos em que muita sorte quebra a ligação entre capacidades (causas) e lucros (efeitos), um jogador competente pode perder dinheiro, enquanto um jogador pouco experiente (em termos relativos) pode ter lucro.

O mercado de apostas é complexo e maioritariamente aleatório, porque as notícias que impulsionam o movimento das probabilidades chegam ao mercado de forma aleatória. Se não fossem aleatórias, então não seriam notícia. Tal aleatoriedade quebra a ligação entre causa (algo que o apostador faz para originar um aumento nos seus fundos) e efeito (um aumento real nos fundos do apostador).

O corolário entre o acima exposto é que o feedback tem um âmbito limitado. Uma vez que o feedback é o óleo que lubrifica a maquinaria da prática, é improvável que acumular experiência de jogo num mercado de apostas venha a proporcionar uma grande capacidade - para pôr em perspetiva, imagine experimentar praticar um jogo de roleta.

Tal facto indica fortemente que o ambiente – o mercado de apostas – no qual os apostadores desportivos operam não é nem regular nem previsível, mas é pelo contrário dominado pela sorte.

Da mesma forma, nas apostas, o processo de descoberta de preços que está implícito no equilíbrio de opiniões em relação a um resultado desportivo significa necessariamente que o estabelecimento de relações causais entre as decisões e os resultados está mais próximo de suposições. Daniel Kahneman, vencedor do Prémio Nobel e autor de Pensar, Depressa e Devagar descreve-o como um ambiente de validade zero. É claro que nada disto altera a perceção da maioria dos apostadores de que os lucros que tiveram foram causados por coisas que eles fizeram. Tal excesso de confiança (uma das muitas razões porque jogamos) é, manifestamente, o produto de uma ilusão de validade.

Quando é que as apostas se tornam num jogo de capacidade?

Talvez tenhamos estado a fazer a pergunta errada. Talvez não seja uma questão de se algo é um jogo de capacidade, mas antes quando é que ele se torna num jogo de capacidade. Nos casos em que a sorte e a capacidade estão ambas presentes nos jogos que envolvem repetição, a contribuição relativa da capacidade aumenta com o número de repetições.

O ténis é um exemplo óbvio de um jogo com muitas repetições. Uma probabilidade de 53% de ganhar um único ponto traduz-se em 85% de probabilidade de ganhar um encontro de 5 sets. O póquer é outro exemplo. As cartas que recebe e as cartas comunitárias que o croupier revela são puramente uma questão de sorte e são, incontestavelmente, os fatores dominantes que ditam a evolução do jogo numa única mão. No entanto, depois de muitas mãos, a sorte e o azar podem anular-se, mas as diferenças na capacidade dos jogadores em fazerem "bluff" e em "lerem" os adversários – uma capacidade adquirida depois de muitos jogos – revelar-se-á gradualmente.

Eu talvez consiga prever 9 em cada 10 resultados da Premier League num fim-de-semana, mas se a pessoa contra quem estou a apostar conseguir prever os 10, ainda assim perderei.

Nate Silver,autor de The Signal and the Noise, sugeriu que um jogador de póquer competente, mas azarado, poderia ainda apresentar perdas depois de 100 000 mãos, o equivalente a quase dois anos a jogar 40 horas por semana. Imagine dois apostadores desportivos a fazerem apostas de montante igual um contra o outro. Se um tiver uma vantagem de 2% sobre o seu adversário, ou seja uma taxa de sucesso de previsão de 51%, a evolução do sucesso através da sua vantagem real poderia, de igual forma, demorar muito tempo. Depois de 1000 apostas, o jogador mais fraco poderia ainda assim estar à frente em 25% das vezes.

Superar o acaso e o Paradoxo da Capacidade

Se os mercados de apostas estiverem perto de estar em ambientes de validade zero, onde as oportunidades de capacidade são mínimas, haverá algo que possamos fazer sobre isso? Adicionei a minha própria solução às três oferecidas por Michael Mauboussin, as quais se encontram delineadas abaixo:

Apostar em mercados com uma variação mais elevada de capacidade

Em linguagem corrente, isso significa apostar em mercados que estão menos familiarizados com a maioria dos jogadores e também com a casa de apostas, com menos informações e notícias prontamente disponíveis para processarem para previsão. Quanto maior for a diferença entre os previsores menos capazes e os mais capazes, menor será o papel da sorte.

Pense em termos relativos e não absolutos

Nos casos em que existe competição e sorte, só importa o desempenho relativo. Eu talvez consiga prever 9 em cada 10 resultados da Premier League num fim-de-semana, mas se a pessoa contra quem estou a apostar conseguir prever os 10, ainda assim perderei. Como Nate Silver diz do póquer, “pode fazer 95% das suas decisões corretamente e, ainda assim, perder a camisa a uma mesa cheia de jogadores que estão a fazer a jogada certa 99% das vezes.” Neste contexto, também é importante lembrar que não é tanto a casa de apostas a quem estás a tentar ganhar, mas todas as outras pessoas. 

Concentre-se no processo e não no resultado

Ao competir num ambiente onde a sorte domina, deverá concentrar-se no processo como toma as suas decisões, e não tanto nos próprios resultados. Nas apostas, analise a forma como faz as previsões e não o tamanho do seu saldo bancário. Nos casos em que muita sorte quebra a ligação entre capacidades (causas) e lucros (efeitos), um jogador competente pode perder dinheiro, enquanto um jogador pouco experiente (em termos relativos) pode ter lucro.

Estudar a linha de fecho

Está agora bem definido que a linha de fecho da Pinnacle proporciona uma das melhores medidas da "real" probabilidade do resultado. O montante, no qual consegue vencê-la de forma consistente, fornecerá uma indicação muito boa do lucro que poderá esperar ter. Vencer a linha de fecho de forma consistente por um montante superior à margem da Pinnacle sugere que é suficientemente mais competente do que muitos dos seus adversários.

Recursos de apostas - Capacitar as suas apostas

Os Recursos de apostas da Pinnacle são um dos conjuntos mais abrangentes de conselhos de especialistas sobre apostas que se podem encontrar online. Dar resposta a todos os níveis de experiência - o nosso objetivo é simplesmente capacitar os apostadores a obterem mais conhecimentos.