fev 12, 2021
fev 12, 2021

Podemos usar coeficientes da UEFA para informar apostas na Liga dos Campeões?

O que são coeficientes da UEFA?

Qual é o papel dos coeficientes na Liga dos Campeões?

Com que frequência a equipe com o coeficiente mais alto vence?

Coeficientes da UEFA e estatísticas da Liga dos Campeões

Podemos usar coeficientes da UEFA para informar apostas na Liga dos Campeões?

Os coeficientes da UEFA oferecem um método imperfeito, mas simples, de avaliar quais são as equipes que vêm demonstrando uma capacidade consistente para o bom desempenho em competições europeias entre clubes. Com isso em mente, até que ponto eles podem ser considerados uma ferramenta para ajudar a prever o resultado de jogos da Liga dos Campeões?

O que são coeficientes da UEFA?

Cada equipe competindo na Liga dos Campeões da UEFA e na Liga Europa recebe um coeficiente. Pontos de coeficiente são atribuídos sobre uma combinação dos resultados das partidas individuais das equipes no torneio e o quão longe elas progrediram dentro dele.

Na Liga dos Campeões, os pontos de coeficiente são atribuídos da seguinte forma:

Coeficientes e estatísticas da Liga dos Campeões da UEFA

Evento

Pontos

Partida vencida

2

Partida empatada

1

Qualificação para a fase de grupos

4

Qualificação para as oitavas de final

5

Qualificação para quartas de final, semifinais e finais

1 por rodada

O número máximo de pontos de coeficiente que uma equipe da Liga dos Campeões pode acumular ao longo de uma temporada é 38 (nota: na temporada 2019/20, as quartas de final e a semifinal foram disputadas em apenas uma partida – em vez das partidas habituais de ida e volta – e concederam três pontos por vitória, o que significa que o Bayern de Munique conquistou 36 pontos de um total de 36).

Os coeficientes da UEFA oferecem um reflexo calculado do desempenho de uma equipe nas competições europeias durante as temporadas mais recentes.

O principal papel que os coeficientes da UEFA desempenham na Liga dos Campeões é no sorteio da fase de grupos, em que as 32 times qualificados são divididos em quatro potes de oito. O pote 1 é composto pelos vencedores da Liga dos Campeões e da Liga Europa da temporada anterior, mais os seis campeões das seis melhores ligas da Europa de acordo com os coeficientes (se alguma dessas seis equipes também ganhou a Liga dos Campeões ou Liga Europa, a sétima e a oitava melhores ligas são usadas).

Para os potes 2, 3 e 4, as 24 equipes restantes são classificadas na ordem do coeficiente que acumularam nas cinco temporadas anteriores. Uma consequência dessa configuração é que é possível que uma equipe do pote 1 tenha um coeficiente mais baixo do que uma equipe de qualquer um dos outros três potes.

Provavelmente, o mais importante a se ter em mente sobre os coeficientes da UEFA é que eles não procuram oferecer uma avaliação direta das habilidades de uma equipe, mas sim um reflexo calculado de como elas se saíram nas competições europeias nos últimos anos.

Por exemplo, na temporada em que o Liverpool venceu a Liga dos Campeões em 2018/19, eles só foram avaliados como o 16º melhor time de acordo com seu coeficiente no início do torneio. Em grande parte, isso se deve ao fato de que não participaram de nenhuma competição europeia em 2013/14 e 2016/17.

Com que frequência a equipe com o melhor coeficiente da UEFA vence?

Uma forma simples de avaliar a utilidade mais ampla dos coeficientes da UEFA é avaliar quantas equipes que possuíam um dos dois maiores coeficientes entre os participantes do seu grupo da Liga dos Campeões avançaram com sucesso para as oitavas-de-final e quantas das eliminatórias subsequentes foram vencidas pela equipe com o coeficiente mais alto.

Estas são as estatísticas resultantes das últimas cinco temporadas na Liga dos Campeões:

Temporada

As duas principais equipes com maior coeficiente que progrediram de seu grupo

Partidas eliminatórias vencidas por equipes com maior coeficiente

2016/17

14 de 16

11 de 15

2017/18

9 de 16

11 de 15

2018/19

12 de 16

5 de 15

2019/20

12 de 16

8 de 15

2020/21

10 de 16

Isso significa que, durante este tempo, se uma equipe possuísse um dos dois maiores coeficientes entre os times do seu grupo da Liga dos Campeões, ela se qualificaria 71,25% das vezes. Já 58,33% das eliminatórias foram vencidas pela equipe com o maior coeficiente.

Essas taxas de retorno podem ser consideradas fortes e razoáveis, respectivamente, sugerindo, pelo menos em certa medida, que um coeficiente forte é um indicador para uma campanha produtiva da Liga dos Campeões. No entanto, essas estatísticas não consideram as equipes específicas envolvidas – e, mais importante, a diferença de coeficiente entre elas.

Portanto, para efeitos de avaliação exata da frequência com que a equipe com um coeficiente da UEFA superior ao do seu adversário vence um jogo da Liga dos Campeões, foram comparados os resultados dos 471 jogos durante os torneios 2017/18, 2018/19 e 2019/20, mais a fase de grupos de 2020/21. Os coeficientes utilizados foram os pertencentes às equipes do início da temporada.

As equipes com maior coeficiente da UEFA foram divididas em três grupos: aquelas cujo coeficiente foi 0,5 a 19,5 pontos superior ao do oponente (Grupo 1), aquelas cujo coeficiente foi 20 a 39,5 pontos superior (Grupo 2) e aquelas cujo coeficiente foi pelo menos 40 pontos superior (Grupo 3).

Margem de superioridade do coeficiente da UEFA

Vitória

Empate

Derrota

0,5 – 19,5 pontos (Grupo 1)

36,84%

28,07%

35,09%

20 – 39,5 pontos (Grupo 2)

46,57%

23,28%

30,15%

40 pontos + (Grupo 3)

61,70%

19,15%

19,15%

A observação imediata (e talvez sem surpresa) desses dados é que parece haver um certo grau de proporção entre a margem de superioridade do coeficiente da UEFA que uma equipe possui sobre o adversário e a taxa de vitórias que ela tende a desfrutar em jogos da Liga dos Campeões.

No entanto, enquanto todos os três grupos ganharam mais jogos do que perderam, o resultado variou, de uma vantagem quase imperceptível para o Grupo 1 até o Grupo 3 vencer um pouco mais de três vezes mais jogos em relação às derrotas. Também é interessante notar que, embora, no geral, a equipe com coeficiente superior tenha vencido uma estreita maioria de suas partidas (54,41%), ela também perdeu (24,31%) mais do que empatou (21,28%).

Também podemos observar esses resultados de ângulos mais específicos, como se alguma suposta vantagem motivada pelo coeficiente fosse afetada pelo fato de o time estar jogando em casa ou não:

Margem de superioridade do coeficiente da UEFA

Página inicial

Equipe visitante

Vitória

Empate

Derrota

Vitória

Empate

Derrota

0,5 – 19,5 pontos (Grupo 1)

41,37%

34,48%

24,15%

34,48%

27,58%

37,94%

20 – 39,5 pontos (Grupo 2)

58,97

15,38%

25,65%

33,33%

33,34%

33,33%

40 pontos + (Grupo 3)

66,10%

15,25%

18,65%

57,80%

22,02%

20,18%

Embora a relação proporcional identificada anteriormente pareça permanecer intacta nos jogos domésticos, ela é totalmente diminuída pelos resultados fora de casa. Na verdade, tanto o Grupo 1 quanto o Grupo 2 não conseguiram vencer mais partidas do que perderam fora de casa, e o Grupo 2 sofreu uma taxa de vitórias inferior à do Grupo 1.

Isso sugere que, para estar o mais bem colocado possível para desfrutar de uma vantagem sobre seus adversários, independente do local, as equipes da Liga dos Campeões exigem um coeficiente de vantagem de pelo menos 40 pontos. Esse grau de superioridade geralmente só é possível se a outra equipe perdeu pelo menos uma temporada das competições europeias entre as cinco anteriores e/ou não conseguiu se classificar para a fase de grupos de qualquer uma das principais competições europeias.

Outra perspectiva a partir da qual esses jogos podem ser vistos é se há uma discrepância na taxa de vitórias entre os jogos da fase de grupos e as eliminatórias. Com base nas estatísticas discutidas anteriormente, esperaríamos que as taxas de vitória fossem menores para o último caso.

Margem de superioridade do coeficiente da UEFA

Fase de grupos

Fase eliminatória

Vitória

Empate

Derrota

Vitória

Empate

Derrota

0,5 – 19,5 pontos (Grupo 1)

37,36%

34,09%

28,55%

28,57%

21,43%

50,00%

20 – 39,5 pontos (Grupo 2)

45,44%

31,48%

23,08%

47,62%

0,00%

52,38%

40 pontos + (Grupo 3)

66,30%

18,23%

15,47%

45,65%

19,57%

34,78%

Na verdade, isso mais uma vez parece sugerir que as vantagens dos coeficientes desempenham um papel mais ativo nos jogos da fase de grupos. Embora o Grupo 2 tenha registrado uma taxa de vitórias mais alta nas fases eliminatórias do que na fase de grupos, essas equipes só tiveram sucesso em vencer mais partidas do que perder na fase de grupos.

Em todos os três casos, a taxa de derrotas aumentou significativamente da fase de grupos para as fases eliminatórias, mais do que dobrando nos Grupos 2 e 3. O Grupo 1 perdeu metade de suas partidas nas fases eliminatórias, o que implica que seu coeficiente superior não implicou em qualquer vantagem identificável.

Os coeficientes da UEFA são uma ferramenta útil para os apostadores?

Várias conclusões interessantes são delineadas pelos dados acima. De forma mais proeminente, eles parecem sugerir que uma equipe tem maior probabilidade de vencer uma partida da Liga dos Campeões quando joga em casa na fase de grupos.

Como resultado de sua própria natureza, muitas desvantagens afetam quão úteis os coeficientes da UEFA podem ser.

Essa informação não é reveladora de nenhuma maneira, embora pareça sublinhar que os jogos da fase de grupos são mais fáceis de prever do que as eliminatórias e que a natureza do torneio favorece inerentemente as equipes mais experientes.

Em termos de praticidade como recurso, os coeficientes da UEFA apresentam limitações óbvias. Cinco temporadas representam muito tempo no futebol, e, durante esse período, clubes, equipes, comissões técnicas e situações financeiras podem sofrer mudanças significativas.

O fato de que os coeficientes são baseados em uma acumulação desse período também pode sugerir inadvertidamente que o desempenho de uma equipe em competições europeias é mais consistente do que realmente é.

Por exemplo, no início da temporada 2020/21, o Ajax ostentava o 21º coeficiente mais alto da UEFA (69,5). No entanto, 49 desses pontos foram conquistados em duas temporadas, nas quais a equipe chegou à final da Liga Europa e às semifinais da Liga dos Campeões, respectivamente. Nas outras três temporadas, o time não conseguiu se classificar para a fase de grupos da Liga dos Campeões em duas ocasiões e foi eliminado na outra.

Os coeficientes também podem ser contestados no que diz respeito ao fato de que eles combinam desempenhos na Liga dos Campeões e na Liga Europa e há um hiato de qualidade discutível entre as duas competições – dos últimos cinco vencedores da Liga Europa, nenhum passou das oitavas de final da temporada seguinte da Liga dos Campeões. Finalmente, um coeficiente também nunca será capaz de indicar o desempenho, lesões ou qualquer outro desenvolvimento que possa ditar a chance de uma equipe vencer uma partida específica.

A utilidade dos coeficientes da UEFA para um apostador individual, portanto, talvez esteja diretamente relacionada à importância que eles colocam nos resultados anteriores e nas tendências das apostas no futebol.

Como muitas outras ferramentas de apostas baseadas em dados, eles não devem ser usados exclusivamente para informar previsões e, sem dúvida, devem servir melhor como um dos muitos componentes de pesquisa que você deve aplicar antes de apostar em um jogo da Liga dos Campeões.

Recursos de apostas - Capacitar as suas apostas

Os Recursos de apostas da Pinnacle são um dos conjuntos mais abrangentes de conselhos de especialistas sobre apostas que se podem encontrar online. Dar resposta a todos os níveis de experiência - o nosso objetivo é simplesmente capacitar os apostadores a obterem mais conhecimentos.